Seja uma #GIRLBOSS: Resenha do livro de Sophia Amoruso

Sophia Amoruso passou a adolescência viajando de carona, furtando em lojas e revirando caçambas de lixo. Aos 22 anos ela havia se conformado em ter um emprego, mas ainda estava sem grana, sem rumo e fazendo um trabalho medíocre que assumiu por causa do seguro-saúde. Foi aí que Sophia decidiu começar a vender roupas de brechó no eBay. Oito anos depois, ela é a fundadora, CEO e diretora criativa da Nasty Gal, uma loja virtual de mais de 100 milhões de dólares, com mais de 350 funcionários. Além da história de Sophia, o livro cobre vários outros assuntos e prova que ser bem-sucedido não tem nada a ver com a sua popularidade; o sucesso tem mais a ver com confiar nos seus instintos e seguir a sua intuição. Uma história inspiradora para qualquer pessoa em busca do seu próprio caminho para o sucesso.

Toda vez que vou a Bienal do Livro em SP compro um livro que não está na “promoção”. Este pode ser um livro que estou desejando há um tempo, uma vontade súbita ou um lançamento do ano. Em 2012 foi ACEDE. Em 2014, o fofo Fangirl da Rainbow maravilhosa. Este ano foi #GIRLBOSS.

Me deparei com ele um dia no Pinterest, em uma lista de livros para mulheres empoderadas. Amor à primeira vista para a capa. Entrou pra lista de leitura.

Impossível falar de #GIRLBOSS sem falar primeiro da Nasty Gal e da sua fundadora, Sophia Amoruso. A empresa começou em 2006, como uma loja do eBay onde vendia roupas vintage compradas em brechós, bem similar ao nosso Enjoei.

Pouco tempo depois, a demanda se tornou tão grande que foi transferida para seu próprio site depois de uma confusão no eBay. E não parou de crescer até este ano, depois de Sophia deixou a direção da companhia e a NastyGirl decretou falência.

Em #GIRLBOSS, Sophia conta como chegou ao ponto de ser CEO de uma das lojas de varejo com o crescimento mais rápido da história.

Sophia nunca foi o que podemos chamar de convencional. Nunca se ajustou realmente aos lugares que passou antes da Nasty Gal, sejam eles empregos antigos ou escolas. É esta maneira peculiar de ver o mundo que criou o diferencial da empresa e de toda a Nasty Galaxy.

As mídias sociais foram fundamentais para a NG. Sophia sempre teve um alto contato com as clientes através do MySpace, Facebook e Twitter e isso também é um diferencial da empresa em relação a outras do mesmo setor (não é dirigida por um senhor branco de terno).

A história de #GIRLBOSS nos ensina várias coisas. A primeira é que somos responsáveis pelas nossas próprias vidas. Uma #GIRLBOSS consegue o que quer porque trabalha pra isso.

Devemos criar nossas oportunidades. Não existe uma linha de chegada de fato, mas devemos abandonar hábitos e pessoas que nos prendem para chegarmos aos nossos objetivos. Crença em si mesmo é uma coisa muito importante. Quando fazemos isso, todos a nossa volta acreditam em nós também.

ECONOMIZAR! Uma coisa bem impossível, mas que toda #GIRLBOSS deve fazer e que deve ser no mínimo 10% da sua renda. A poupança deve ser tratada como mais uma conta a pagar. Seu dinheiro deve ser investido no seu bem-estar e não em coisas desnecessárias. Dinheiro é melhor na sua conta bancária do que nos seus pés.

Mentalização é importante. Uma coisa que eu definitivamente vou pensar daqui pra frente. A dica de Sophia é utilizar suas senhas para ajudar nisso.

Uma #GIRLBOSS não deve ter vergonha de realizar um trabalho abaixo – ou acima – do seu. Quem está disposta a isso é que se sobressai.

Junto com o relato ágil de Sophia podemos acompanhar pequenos textos escritos por outras #girlbosses, seja dentro da própria Nasty Gal seja em outros locais. Isso é um ótimo incentivo para conquistar nosso próprio espaço como #GIRLBOSS, em nosso próprio empreendimento ou no local que trabalhamos. É um livro de uma mulher foda para outra.

As ilustrações de cada capítulo são maravilhosas <3

O livro nos faz pensar em outras maneiras de se chegar ao sucesso. Você pode aprender em qualquer que seja o lugar, mesmo que seja um shitty job. As ilustrações são lindas e o trabalho final muito bem feito. Não conhecia o trabalho dess editora e fiquei fã.

Me arrependi de ter levado o livro a um lugar que ia ter que ficar esperando por muito tempo. Eu devorei o livro todo durante as horas que esperava pra ser atendida, o que foi ótimo, mas fiquei triste de ter esquecido meu lápis e não consegui marcar nenhum trecho. Mais uma desculpa pra ler de novo.

Classificação: Uma #GIRLBOSS. Uma já é mais que suficiente para construir um império (ou galáxia)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *