Tag Archives: Feminismo

“Mulheres do mundo, uni-vas!”

FEMINISMO

Papo de MoçaO Papo de Moça de hoje vem com o oferecimento da Revista Mina, da fofa da Emeline Domingues.

Escrevi especialmente para a Revista Mina e compartilho agora com vocês. Chamem-me de oportunista, mas isso é (quase) tudo o que eu quero dizer nesse Dia da Mulher.

A Mina foi elaborada como projeto de conclusão de curso da Eme e ficou a coisa mais linda que eu já vi! Me senti e ainda sinto, muito honrada de ter participado do projeto de todas as maneiras que eu pude. Eme, você arrasa!

O link para a versão online da revista e o meu relato estão depois do “mais”

Continue reading

Papo de MoçaSororidade: Porque isso é importante?

feminismo1

Super amigas!

O Bolsa de Moça vai completar um ano nesta semana, dia 5 de fevereiro. *Solta Fogos*. Há exatamente um ano atrás, feminismo era um conceito novo para mim. Claro que já tinha escutado a palavra e fazia uma leve ideia do que ela significava. Mas, como todo mundo, achava que era algo sujo. Ruim.

SELO COMPADRE WASHINGTON DE SABE DE NADA, INOCENTE PARA MIM! Auto didata, o feminismo virou uma das coisas em que acredito. O bom que não me fiz de rogada e simplesmente resolvi mostrar qual era o Feminismo em Beyoncé segundo minha visão. E me espanta um ano depois, ainda ter que bater na mesma tecla.

Continue reading

Músicas da MoçaPlaylist: Bitch Power Walk

 

Bitch Power Walk from queenbella on 8tracks Radio.

No episódio do Músicas de hoje temos uma playlist. O título já é auto explicativo: “Bitch Power Walk”.  A meu ver, palavra “bitch” é usada erroneamente. Sempre pensamos numa coisa ruim quando a ouvimos. “Bitch” é aquela mulher que é “melhor” que você. Aquela mulher que, ao seu ver, é mais  magra, popular, inteligente, você escolhe. Alguém que é algo que você não é – mas pode ser. Basta força de vontade.

Uma “Bitch” é dona de si. Confiante. Não liga para o que os outros pensam.

Quando crescer eu quero ser uma “Bitch”.

Papo de Moça

O Feminismo em Beyoncé (e em mim)

O que motivou este post foi o simples comentário de minha pessoa em casa: Postei no face pras minhas amigas que tem uma universidade nos EUA que tem um curso para estudar o feminismo nas letras e vídeos da Beyoncé. E brinquei #PartiuEua se graduar em Beyoncé?

Minha mãe fez careta. Meu irmão falou: Que feminismo tem nos vídeos daquela p**a?

(Favor focar que as letras nem foram mencionadas e não no óbvio palavrão que foi dirigido a cantora) e (Meu irmão não é uma pessoa fácil, mas quem realmente é?)

Minha mãe é uma das pessoas mais fortes que eu conheço. Várias coisas aconteceram com a nossa família nos últimos anos que teriam engolido outra mulher viva, mas ela não. Ela ainda continua, claro que com certos traumas, mas continua.

Em casa somos quatro. Ela, eu, meu pai e meu irmão mais velho. Dois homens, duas mulheres. Na minha cabeça (e pelo visto só lá) era para ser uma coisa equilibrada. Todo mundo ajuda todo mundo e direitos iguais para todos.

Só que não é bem assim. Continue reading